domingo, 27 de outubro de 2013

VITÓRIA NORMAL FRENTE A UM CANDIDATO















FICHA DO JOGO


























EQUIPA TITULAR




















Da esquerda para a direita, em cima: Helton, Fernando, Mangala, Jackson Martinez, Danilo e Otamendi; Em baixo: Herrera, Lucho Gonzalez, Alex Sandro, Josué e Silvestre Varela.


O FC Porto, ao derrotar hoje no Dragão, um dos candidatos ao título e o rival que mais de perto ameaçava a sua liderança, viu aumentar a sua vantagem, agora para 5 pontos para os dois clubes da 2ª circular, que ficam agora juntos na perseguição.

Paulo Fonseca não apresentou qualquer surpresa no onze titular, confirmando a titularidade ao mexicano Herrera (desculpando da sua imaturidade no jogo frente ao Zenit), incluindo desta vez Silvestre Varela, em vez de Licá, como aliás eu tinha previsto na antevisão deste jogo.

As equipas apresentaram-se incompreensivelmente (ou talvez não) nervosas durante quase todo a primeira parte, resultando num futebol incaracterístico, mal jogado, muito inconsequente, fruto de uma série exagerada de passes falhados. O Sporting provavelmente vítima da língua afiada dos seu «imberbe» presidente e o FC Porto, quiçá ainda mal refeito da derrota frente ao Zenit. Mau espectáculo no relvado contrastando afinal com o que se passava nas bancadas, visivelmente animadas e especialmente coloridas com bonitas e vistosas coreografias, próprias dos jogos entre grandes.





























Da primeira parte, apenas dois lances me merecem algum destaque. O primeiro, no que resultou o primeiro golo portista. Varela subiu pela esquerda, assistiu a progressão de Alex Sandro que entrou ameaçador na área, sendo rasteirado por Maurício, única forma de travar as intenções do lateral portista. Artur Soares Dias não teve dúvidas e apontou a marca de grande penalidade que Josué não enjeitou. 





















O segundo e último numa incursão perigosa de Josué, sobre a esquerda, com remate fulminante que Patrício defendeu com dificuldade, cedendo canto. Neste período de jogo inconsistente, pertenceram ao FC Porto, apesar de tudo os melhores e mais perigosos momentos.

As equipas regressaram dos balneários com outra atitude. O Sporting mais atrevido e ameaçador, à procura da igualdade. O FC Porto mais comedido a pensar demasiado cedo em defender a vantagem, colocando-se de certo modo a jeito. Na sequência de um livre marcado sobre a direita, Helton socou, William Carvalho recolheu e à meia volta rematou, a bola tabelou em Fernando, traindo Helton que não conseguiu evitar a igualdade. No fundo confirmava-se a tendência mais ameaçadora dos leões.

Foi Sol de pouca dura, pois a reacção portista não se fez esperar. Dois minutos após, ainda os adeptos leoninos festejavam entusiasticamente o atrevimento, já Danilo os fazia silenciar e provocava a explosão de alegria da plateia portista. O lateral brasileiro recebeu a bola no limite da área, virou-se para a baliza, evitou um adversário, e perante uma aberta para o remate não hesitou, fulminando de pé esquerdo, no que seria o melhor golo da noite. GOLAÇO!























Em resposta, os leões mostraram que se querem assumir como candidatos e em duas ocasiões obrigaram Helton às duas defesas mais complicadas, ilustrando a sua inegável capacidade para voar. O jogo atingia então o seu fulgor com o espectáculo a subir de nível e a tornar-se finalmente num verdadeiro clássico. 

Com o Sporting de novo à procura do empate, adiantando as suas linhas, os Dragões deram a estocada final. Num puro lance de contra ataque, Jackson lançado sobre a esquerda cruzou para a área onde Silvestre Varela subiu mais alto, assistindo a entrada de Lucho Gonzalez, também de cabeça, se antecipou a Rui Patrício, dilatando o marcador e colocando um ponto final às hipotéticas dúvidas quanto ao vencedor deste encontro. Até ao apito final de Artur Soares Dias, os azuis e brancos dominaram o adversário, ora controlando, ora ameaçando dilatar o marcador.




















Vitória difícil mas muito merecida, com algumas exibições acima da média. Desde logo Helton, importante em dois ou três momentos que podiam ter mudado o curso do marcador, Danilo, especialmente pelo golaço que conseguiu, mas também Alex Sandro, Fernando, Lucho, Josué e mesmo Varela.

1 comentário:

  1. miau miau miau
    3 miau
    para o menino mau
    que do próprio pai fala mal

    ResponderEliminar