quinta-feira, 26 de maio de 2011

A REAL IMPORTÂNCIA DO BENFICA NA VIDA DO FC PORTO

Este parece ser um tema vital, pelas inúmeras ocasiões em que os adeptos, simpatizantes, responsáveis e opinadores do clube da capital se referem a ele como sendo um acto de grandeza e superioridade benfiquista insuperáveis. Será que têm razão?

Não deixa de ser verdade que muitas das intervenções dos principais responsáveis e figuras públicas portistas são marcadas por referências directas ou veladas a esse clube. A razão principal tem a ver com a oportuna resposta às habituais demagogia, megalomania e arrogância de quem se arvora em referência nacional de virtudes, transparência e verdade desportiva, em contraste permanente com a prática e «modus operandi» dos seus responsáveis, imortalizados pela célebre escuta (uma das raras que não foi abafada) «estamos a fazer as coisas por outro lado».

Nós portistas, habituamo-nos a olharmo-nos como um corajoso David, sem temores para abater o megalómano Golias. Não o Golias da história, mas o Golias insuflável.
* Insuflado pelo obscurantismo salazarista, no domínio da FPF, onde só os clubes de Lisboa podiam indicar o seu presidente, usando as influências para garantir o maior número de títulos existentes nos seus palmarés;

* Insuflado pelo mito dos seis milhões de adeptos (depois da Taça Latina falta derrubar este);

* Insuflado pelo apoio incondicional de uma imprensa desportiva alienada e alienante e uma Comunicação Social subserviente;

*Insuflado pelo tráfico de influências nos diversos ministérios dos vários governos deste País (alguns com assento na Tribuna Vip da Catedral), sempre prontos a condescender e a facilitar (quem não se lembra de uma certa ministra das Finanças ter aceite acções não cotadas na Bolsa, como garantia da dívida ao Estado, evitando desta forma a descida de divisão, como sanção desportiva por incumprimento?), em troca de outros favores (Vilarinho convidou Durão Barroso, então candidato a 1º Ministro, para um almoço ou jantar, com centenas de benfiquistas, prometendo que a ajuda desse candidato, no desbloqueio de questões burocráticas relativas à construção do estádio, seria recompensada pelos benfiquistas, na hora de votar);

* Insuflado pelo comprometimento e obsessão do MP, na condução parcial, da maior vergonha nacional que há memória, chamado Apito Dourado, que os Tribunais se encarregaram de arrasar;

 * Insuflado pelas manobras sectárias do Leal das Cunhas (Estorilgate) e do aprendiz de justiceiro Ricardo Costa (Campeonato dos túneis), que influenciou o desfecho desses campeonatos.
Nós portista, cansados de tanta arbitrariedade, há muito procurávamos a forma mais eficaz de esvaziar este Golias. Depois de algumas tentativas infrutíferas, surgiu na vida do nosso Clube a verdadeira solução: Jorge Nuno Pinto da Costa, qual cavaleiro andante, armado até aos dentes com quatro poderosas armas (COMPETÊNCIA, RIGOR, AMBIÇÃO E PAIXÃO), capazes de desfazer toda essa superioridade fabricada, revertendo-a em hegemonia portista pura.

O resultado está à vista. Não podia ser mais claro. 69 títulos, conquistados contra tudo e contra todos, versus 68, enfermando dos defeitos descritos.

Por tudo isto, esta época ficará gravada em letras de ouro, pois encerra todo o simbolismo desta luta permanente do bem contra o mal, do azul do Céu contra o vermelho do inferno:

Quatro títulos conquistados;
Regresso aos títulos internacionais;
Benfica derrotado na Supertaça;
Benfica humilhado no Dragão por 5-0;
Campeão na Luz, com nova vitória 2-1 e respectiva festa;
Benfica eliminado na Luz, depois de ter ganho no Dragão, para a Taça de Portugal;

GRANDE GLORIGOZO! Esta é a verdadeira importância do Benfica na vida do FC Porto.

4 comentários:

  1. Concordo, gozo e mais gozo e então esta época foi uma farturinha.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. «Não deixa de ser verdade que muitas das intervenções dos principais responsáveis e figuras públicas portistas são marcadas por referências directas ou veladas a esse clube»

    alguém tem que fazer o contraditório, certo?
    a verdade desportiva não pode ser só tingida a encarnado ;)

    e agora, com o acordo celebrado com o Porto Canal, a mudança na direcção do JN e a volta de 180º no Departamento de Comunicação do FCP, "é que vão ser elas" :)

    abraço

    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

    Miguel | Tomo I

    ResponderEliminar
  3. Muito bem. Parabéns pelo seu texto.

    Abraço amigo e AZUL FORTE.

    ResponderEliminar
  4. off-topic:

    caríssimas(os),

    faz hoje 24 anos que se escreveu, a ouro, uma página brilhante da nossa história.

    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

    Miguel | Tomo I

    ResponderEliminar